Anuncie Aqui topo
teste
ALMT Campanha: Fake News Pandemia
EM CHAPADA

Cultivo de grão-de-bico é testado no sistema orgânico por agricultores familiares de Chapada dos Guimarães

Pesquisadores da Empaer acompanham os experimentos para identificar as cultivares que melhor se adaptam na região.

04/09/2020 14h53Atualizado há 2 semanas
Por: Luciana Bonfim
Fonte: Governo de MT

Quatro cultivares de grão-de-bico estão sendo testadas pela primeira vez no sistema orgânico por agricultores familiares, no município de Chapada dos Guimarães (67 km ao Norte de Cuiabá). O pesquisador da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), Valter Martins de Almeida, destaca que os experimentos com as leguminosas vão identificar quais cultivares se adaptam melhor às condições de cultivo na região que possui temperaturas amenas e clima seco em determinado período do ano.

O estudo de potencialidade do grão-de-bico começou no mês de maio de 2020, com o plantio das cultivares BRS Cícero, Aleppo, Cristalino e Toro todas oriundas da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Segundo Valter, nas áreas que estão sendo conduzidos os experimentos, a colheita já começou com cultivares precoce e a previsão é encerrar a colheita no final do mês de setembro. “Este é o primeiro teste para acompanhar a evolução dos materiais genéticos. No próximo ano serão testados novamente”, esclarece.

O proprietário do Sítio Mata Verde, Aquiles Tomazi, com tradição no cultivo de hortaliças e legumes há 26 anos, cultiva no sistema totalmente irrigado e orgânico e está realizando o teste com as cultivares de grão-de-bico. Ele conta que numa área de 300 metros quadrados foram plantadas as variedades e está conhecendo e aprendendo um pouco sobre o cultivo. “Acredito na diversificação com o grão-de-bico, isso é uma novidade e pode dar certo na nossa região”, salienta.

O Sítio possui uma área total de 20 hectares, e em quatro hectares com cultivo irrigado produz alface, rúcula, chicória, escarola, agrião, almeirão, abobrinha verde, pimentão e outros. Toda produção é comercializada em Cuiabá e Várzea Grande para restaurantes e supermercados. Aquiles aguarda os resultados desse primeiro teste que vai selecionar as cultivares mais adaptadas ao clima e solo para realizar no ano de 2021 novos testes.

O outro experimento está sendo testado no Sítio Jamacá Green, que também produz hortaliças no sistema irrigado e orgânico, numa área de um hectare. O produtor Érico Colmam, responsável pelo plantio e colheita das hortaliças está acompanhando os testes com o grão-de-bico. Ele fala que no próximo ano vai reservar uma área para o plantio e tentar novamente o cultivo. “Com essa primeira experiência e aprendizado os próximos testes serão mais fáceis”, explica Érico.

A pesquisadora da Empaer, Maria Elienai Correia, que acompanha o experimento no município, comenta que escolheu as áreas e os produtores rurais que trabalham com produção orgânica certificada e com irrigação. Alguns agricultores ficaram interessados em cultivar o grão-de-bico como mais uma alternativa de lucro e renda. Ela explica que o objetivo é avaliar o potencial produtivo das quatro cultivares em todas as fases, pre-floração, floração, enchimento de grãos e colheita. No final da colheita serão selecionadas as cultivares com melhor adaptação às condições ambientais.

De acordo com a pesquisadora, o grão-de-bico tem ciclo anual e pode alcançar até 60 centímetros de altura. Elienai ressalta que a leguminosa é rica em proteínas e muito consumida na alimentação podendo ser misturada com outros alimentos como hortaliças, carnes, molhos e condimentos. Os grãos podem ser descascados e triturados para fazer sopas, pastas ou sobremesas. A farinha de grão-de-bico pode ser usada como ingredientes na fabricação de pães e bolos.

1comentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários