Selko Internet superbanner
Pelé supermercado
SANTUÁRIO

Mãe e filha, elefantas de cativeiro se preparam para deixar a Argentina e viver em Santuário em Chapada

Pocha e Guillermina permanecerão na Argentina até que a equipe possa garantir que conseguirá transportar as caixas com as elefantas com segurança para o Brasil.

24/06/2021 14h36Atualizado há 1 mês
Por: Luciana Bonfim
Fonte: G1-MT

Duas elefantas, mãe e filha, se praparam para se mudar do Ecoparque de Mendonza, na Argentina, para o Santuário dos Elefantes, em Chapada dos Guimarães, em Mato Grosso. Pocha (mãe) e Guillermina (filha) viviam em cativeiro e agora recebem os cuidados necessários para serem transferidas. 

As treinadoras Chrissy e Karissa, que moram nos Estados Unidos, passaram um período da quarentena na Argentina para preparar as elefantas para a viagem. No início deste mês, as instrutoras voltaram para a casa, mas seguem acompanhando a situação à distância. 

“Depois que sua equipe conseguir concluir o restante dos requisitos de quarentena para Pocha e Guillermina, eles podem se concentrar mais no treinamento e na separação nas caixas de transporte. Ambas as elefantas já completaram alguns dos testes e tratamentos necessários”, informou o Santuário.

De acordo com a equipe da instituição, ainda há itens na lista que precisam ser concluídos, no entanto, os profissionais já criaram um “plano sólido para resolver o que falta fazer”. 

“Pocha e Guillermina estão seguras e sendo bem cuidadas. Continuamos em contato com o Ecoparque, recebendo atualizações sobre Pocha e Guillermina e os procedimentos para seguir em frente”, explicou. 

O Santuário prevê a transferência ainda neste ano, no entanto, não há uma data definida. Enquanto isso, os animais permanecerão na Argentina até que a equipe possa garantir que conseguirá transportar as caixas com os elefantes com segurança para o Brasil. 

“Por mais que queiramos que as duas elefantas vejam o Santuário, apressar sua quarentena e transporte poderia causar mais traumas - que é exatamente o que queremos ajudá-las a curar”, disse.

Pocha criou a filha Guillermina em um recinto de 150 metros, sem árvores, grama ou lagoas. 

“Guillermina tem 22 anos e ainda está com a mãe. Isso é natural para elefantes selvagens, mas raro para os elefantes em cativeiro. Quando elas chegarem ao Santuário de Elefantes no Brasil, seu relacionamento provavelmente crescerá e mudará; não sabemos como Guillermina reagirá a outros elefantes, mas - não importa o que aconteça - ela terá sua mãe ao seu lado”, pontuou.

O pai

O pai de Guillermina também deve ser transferido para o Santuário. Tamy, de 50 anos, também vive no Ecoparque, mas em uma área isolada. Ele também está sendo preparado para a viagem. O animal asiático trabalhou durante 10 anos em circos. 

Construção do novo habitat 

Para a transferência da família de elefantes, o Santuário está realizando uma campanha para construir um habitat adequado para abrigar os animais. 

A meta é arrecadar R$ 1,7 milhão. Até agora foram doados pouco mais de R$ 712 mil. 

O dinheiro para a campanha será investido em três centros médicos e três recintos para comportar três elefantes asiáticos. Até o momento, houve 58 doações e a meta é de mais de R$1 milhão e 500 mil

Moradores do Santuário

Desde 2016, o Santuário resgata elefantes que estão em cativeiro e em situações de risco. Sendo o primeiro da América Latina, ele oferece apoio, espaço e cuidados aos animais que foram mal tratados. 

O Santuário é dividido em quatro espaços: um habitat para fêmeas asiáticas, outro para fêmeas africanas, um para machos asiáticos e outro para machos africanos. Até agora só foram resgatadas elefantes fêmeas asiáticas que são a Maia, Rana, Lady, Mara, Bambi, Guida e Ramba. 

Em 2016, chegaram as duas primeiras elefantes fêmeas, Maia e Guida. Em 2018, chegou a vez de Rana e em 2019, Ramba e Lady. 

Das cinco elefantas trazidas para o Santuário, duas morreram no ano passado. Guida, uma das primeiras moradoras do primeiro Santuário de Elefantes da América Latina, morreu em junho e Ramba, em dezembro, dois meses depois de chegar ao local. 

Durante a pandemia, o Santuário fez o transporte de Mara e Bambi. 

Quatro novos integrantes do EcoParque, na Argentina, aguardam o transporte para o novo espaço: Pocha, Guilhermina, Kenya e o elefante Tamy.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários