Pelé supermercado
Selko Internet superbanner
As dimensões do breve

As dimensões do breveMarília Bonna está em algum lugar entre o Rio de Janeiro – onde nasceu – e o Mato Grosso, onde foi criada. Habituada a fronteiras, gosta de estar entre a imaginação e a realidade. Por isso escolheu estudar Literatura, tornando-se mestre em Estudos Literários pela UFMT e leitora inesgotável, continuamente dividida entre aquilo que existe e aquilo que deveria existir. Adotou também o ofício de livreira, que exerce no Sebo Rua Antiga em Cuiabá, fundado por ela e seu companheiro, Thiago Iusso

Últimas postagens
Imagem: Mister Blick via Pinterest
Poesia do Cotidiano A força das coisas frágeis Há força maior que a daquilo que está prestes a (se) partir? 16/05/2021 10h38
Akira Kusaka via Pinterest
Poesia do Cotidiano Gente que não gosta do fim A menina que guarda o doce pra comer depois, é dessa menina que eu quero falar 18/04/2021 16h01
Poesia do Cotidiano Rua Antiga – Diário de bordo nº 1 Memórias de uma loja de Memórias 21/03/2021 09h05
A imagem é de Sarah Wyman via Pinterest.
Poesia do cotidiano A língua estranha Como é que se conversa sobre coisas profundas – como os sentimentos – numa língua que não é a nossa? 07/02/2021 10h24
Imagem: Andrea de Santis via Pinterest
Poesia do cotidiano Uma poética da coleção (e dos colecionadores) E só posso pensar que um colecionador seja, de alguma maneira, um mergulhador pressentido, que anda por aí, deslocado como o marinheiro sem mar de Sophia, atrás de tesouros esquecidos ou imaginados 25/10/2020 11h03
Imagem: Diego Max via Pinterest
Poesia do cotidiano O nervo vago [...] como se um nervo pudesse ser vago, impreciso, confuso. Um nervo é um nervo: um filamento, um tecido fibroso, uma certeza. 11/10/2020 10h44
 Imagem: Katie Edwards via Pinterest
Poesia do Cotidiano Breve teoria sobre os esquecidos O que somos, afinal, senão carne, ossos e memória? 27/09/2020 10h09
Foto: Izan Petterle
Poesia do Cotidiano Contemplação da ausência O Pantanal queima a mais de cem quilômetros da minha casa e eu varro as cinzas, na minha porta. 13/09/2020 10h27
Poesia do Cotidiano Procura da Poesia Certas coisas só aparecem para os que estão muito dispostos a vê-las. ... 30/08/2020 10h37
Poesia do Cotidiano Sofrer em Dó menor Há certa beleza em ver nosso sofrimento cotidiano, ordinário, traduzido por Chico, Cartola, Dolores, Noel, identificado pela dor do outro, redimido 16/08/2020 09h35
Imagem: Sally Erwin
Poesia do cotidiano As dimensões do breve uma flor súbita no deserto 02/08/2020 14h15
« Anterior1Próxima »